Investir em relacionamento com os clientes – é lucro

0

Atualmente temos recebido diariamente um enxurrada de informações dos mais variados temas, por consequência vamos nos moldando e criando nossas experiências e necessidades que nos fazem mais perfeccionistas, detalhistas e vamos nos tonando naturalmente  mais críticos.

A oportunidade de se encontrar e relacionar presencialmente com as pessoas cada dia se torna mais raro, dado o pouco tempo que temos disponível para um bate-papo.

Em virtude desta mudança de comportamento as empresas devem ter a sensibilidade de notar as necessidades dos consumidores, para que nas raras oportunidades de estar com o cliente, poder oferecer uma experiência de negócio que atenda sua perspectiva e que lhe deixe impactado. Desta forma, quando ele tiver a necessidade de consumir novamente aquele produto, com certeza vai se lembrar da sua empresa ou do seu serviço.

Lembrar-se do cliente apenas quando se quer vender é mais um erro, precisamos transformar as relações comerciais em relacionamento contínuo, pois na verdade mesmo que não queira é preciso se conectar com os clientes.

Nos últimos anos observei que a capacidade de adaptação ao estilo de comunicação de acordo com o perfil de cada indivíduo com que se converse tem sido um grande diferencial para alguns na relação com as pessoas.

É preciso identificar cada tipo de cliente, conhecer seu perfil, seus hábitos, suas necessidades atuais e tendências.

Ferramentas para este processo já existem e podem ajudar muito. Inclusive ferramentas que além se qualificar o seu cliente, conseguem gerar conteúdos de interação, mantendo o assim conectado com seu negócio.

A questão de se relacionar com o cliente também é um questão financeira. Pois é mais caro conquistar novos clientes do que manter os que já são clientes. Normalmente os empresários estão mais preocupados em conquistar novos clientes e aca

Gustavo Nascimento é advogado, pós-graduado em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas.

bam tendo que dispender de um investimento bem maior no lugar de manter aqueles que já trazem receita para empresa.

Esse relacionamento começa no interior da loja com o atendimento, desde o bom dia, oferecer um café, até o final da venda. Colaboradores educados, bem informados sobre o produto e humanizados fazem a diferença.

Uma pesquisa realizada pela Revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios apontou que 61 % dos consumidores afirmam que ser bem atendido é mais importante do que o preço ou a qualidade dos produtos.

Gustavo Nascimento é  advogado, pós-graduado em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. Cuiabano, CEO da Gusman Materiais para Construção e presidente da Acomac-MT.

Compartilhar

Deixe uma resposta