Professor Manoel Fonseca: treinador de gerações do basquete mato-grossense

0

Dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, 12 de outubro também é a data em que se comemora no Brasil o ‘Dia do Basquete’. Uma das modalidades esportivas olímpicas, o basquete chegou ao país em 1896, apenas quatro anos após ter sido inventado nos Estados Unidos.

A modalidade já revelou talentos em Mato Grosso, mas, acima de tudo, motivou a prática esportiva e proporcionou momentos inesquecíveis à muita gente. Seja nas partidas recreativas em quadras de faculdades, escolas e nos bairros, ou em competições, o basquete faz parte da trajetória dos apaixonados pelo esporte.

Uma das pessoas mais conhecidas por aqueles que viveram ou vivem o basquete mato-grossense é o professor Manoel Fonseca. Para celebrar o Dia Nacional do Basquete é que contamos um pouco da história desse treinador de várias gerações de esportistas no Estado.
  
Professor Manoel Fonseca

“Não, não, não. Vamos fazer tudo de novo, tudo de novo”. Quem treinou com Manoel Fonseca, ou Mané para muitos, não se esquece da expressão que marcou o técnico em suas aulas de basquete. 

Professor dedicado e comprometido, Manoel orientou e ajudou a desenvolver habilidades técnicas de jovens atletas em escolinhas de iniciação ao basquete da Prefeitura de Cuiabá, na  Escola Técnica Federal de Mato Grosso (atual IFMT) e na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), dentre outras tradicionais escolas e faculdades da capital. 

“Aos doze anos passei a acompanhar meu irmão mais velho no basquetebol, e sem saber ou perceber, estava começando aquela que seria a minha caminhada nesta que é a mais valiosa e compensadora de todas as práticas e profissões – o ensinar”, relata.

Admirador da pedagogia de Rubens Alves, ele acredita que a aprendizagem se dá pela beleza do que se vê nas práticas cotidianas – dedicação e prática, numa educação ligada com a vida. “Treinamentos e competições, vitórias e derrotas, lances e situações de jogo que nos jogavam para o alto e que ficarão registrados em nossas memórias para sempre”.

Manoel praticou basquete regularmente e competiu dos doze aos dezenove anos. Fez parte das seleções cuiabana escolar e universitária, tendo como treinadores e instrutores técnicos dois outros conhecidos nomes do basquete mato-grossense: Luis Antônio Gomes (Tonteta) e Sabino Albertão.  “Hoje, grandes amigos meus”, reitera.

Ainda atleta, foi convidado a fazer parte do projeto municipal de escolinhas de basquete. Sua primeira atuação foi no Centro Esportivo do Araés. Depois de passar por outros locais, desenvolveu seu trabalho no Centro Esportivo Dom Aquino, onde teve a oportunidade de atuar com três diferentes gerações, fazendo despontar muitas revelações do basquete. 

Também ajudou a criar a primeira Associação Atlética Escolar de Mato Grosso em uma das escolas pela qual já passou, o Colégio Notre Dame de Lourdes, conquistando muitos títulos municipais e estaduais e alguns títulos nacionais.

Graduado pela UFMT em Educação Física e especialista em Educação Física Escolar, o treinador também buscou conhecimentos nos grandes centros do basquetebol, São Paulo e Paraná, onde chegou a estagiar nos clubes Corinthians, Monte Líbano e São Bernardo.  Em dezembro de 1991, realizou a Clínica da NBA World nas comemorações dos 100 anos de basquetebol no mundo.

O conhecimento adquirido se juntou ao amor pelo basquete e pela educação, e hoje, aos 58 anos de idade, com 46 anos de quadra, Manoel tem orgulho em dizer que é professor e treinador.  O basquete e o ensino suscitaram aprendizados que carrega em outras esferas de sua vida, como na de gestor e técnico do setor público, atividade que também desempenha há mais de 30 anos. Atualmente, Manoel é servidor da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer (Secel).

“É muito mais que basquetebol. É uma grande mistura de um encontro consigo mesmo em seus limites e superações com os limites dos outros, da individualidade fundamentada na coletividade”.

Manoel orienta seus alunos do projeto Mãos Amigas  – Foto por: João Felipe

Para ele, ensinar é aprender a todo instante. E se emociona ao contar uma passagem de sua trajetória como educador e treinador. Na ocasião, uma senhora veio lhe pedir para que seu filho pudesse praticar basquete nas aulas oferecidas na UFMT. Na semana seguinte, quando a mãe foi levar o filho ao ginásio, é que ele soube que o menino tinha deficiência intelectual.  

“Não neguei isso, mas pedi mais uma semana para preparar os outros alunos. Conversei bastante com eles e acolhemos o filho dela com muito carinho. O garoto ficou conosco quase três anos, não faltava treinamento, os pais ficaram encantados e revelaram que antes dos treinos ele havia perdido a vontade de viver. Aprendemos muito com esse menino. Mais do que descobrir talentos, a oportunidade de fazer as pessoas se sentirem bem é o mais gratificante”.

Situações parecidas apareceram novamente em sua vida, mostrando outras recompensas de ser treinador. Seu projeto mais recente é o “Mãos Amigas”, ação que desenvolve gratuitamente visando descobrir novos talentos para o basquete e para a vida. A iniciativa esportiva é mantida com colaboração de ex-jogadores de basquete e por uma faculdade particular e oferece treinamento a meninos entre os 14 e 17 anos de idade na escola estadual José de Mesquita, em Cuiabá.

“Experiências assim que fazem a gente gostar ainda mais de ser treinador. A gente consegue desenvolver talentos e também a ajudar pessoas a se encantarem pela vida. Ao relembrar de tanta gente que orientei no basquete, que se tornaram grandes homens e grandes mulheres, não só como atletas mas como pessoas, vejo que tudo valeu a pena”, finaliza.

Fonte: GOV MT
Compartilhar

Deixe uma resposta