Resgatado do trabalho escravo, rapaz de Jauru agora cursa Engenharia Civil

0

Na condição de trabalhador autônomo e estudante de Engenharia Civil, Rafael Ferreira da Silva, 25 anos, refez a sua vida após ser resgatado do trabalho forçado em uma fazenda localizada no município de Jauru em 2008.

O jovem foi beneficiário do projeto Ação Integrado, passados oito anos desde a experiência, reencontrou a equipe de apoio e formação profissional que o acolheu na época.

O momento foi marcado por emoção, risadas e agradecimentos de ambas as partes, na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso (SRTE-MT), em Cuiabá.

Os profissionais do projeto ficaram impressionados com o crescimento pessoal de Rafael, que tinha 17 anos quando foi resgatado de uma situação de exploração extrema. “A minha maior satisfação é reencontrar esses trabalhadores e ver que eles estão bem, empoderados e convencidos de que são capazes de vencer na vida. Esta sensação não tem preço”, destacou o coordenador executivo do Ação Integrada em Mato Grosso, Pablo de Oliveira.

rafael-ferreira-3-768x564

Rafael contou como teve uma vida agitada desde o resgate realizado pela equipe de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Nesse tempo ele trabalhou como operador de máquinas agrícolas, em serviços gerais, num frigorifico, foi pintor e corretor de imóveis, entrou na faculdade, se casou e mudou sua história.

Neste momento Rafael está sem emprego fixo, como milhares de brasileiros atingidos pela atual crise política e econômica. No entanto, ele não fica parado e se juntou à esposa para vender salgados no bairro do Cristo Rei, em Várzea Grande, onde vivem atualmente. “A gente levanta por volta das 4h da manhã. Ela faz os salgados, eu os coloco num carrinho de feira e saio vendendo. Por volta das 11h dou uma parada para o almoço e retorno ao trabalho por volta das 15h, quando o sol começa a baixar, e só vou parar lá pelas 18h”, detalha Rafael.

O projeto Ação Integrada é desenvolvido pelo Ministério Público do Trabalho (MPT-MT), pela SRTE-MT e pela UFMT, com apoio financeiro e de assistência técnica da Organização Internacional do Trabalho.

Compartilhar

Deixe uma resposta