Forças de segurança recuperam veículos e prendem quatro envolvidos em roubo a seminário.

0

Um roubo no Seminário Bom Pastor em Cáceres (228 km a Oeste), em que vítimas foram agredidas e mantidas reféns, foi esclarecido em ação das forças de segurança da região de fronteira. A ação integrada resultou em quatro pessoas presas e na apreensão de dois veículos e outros objetos roubados.

Participaram dos trabalhos as equipes da Delegacia Especial de Fronteira da Polícia Civil, Força Tática, 6º Batalhão e Agência Regional de Inteligência (ARI) do 6º Comando Regional da Polícia Militar e Polícia Rodoviária Federal (PRF).

As diligências iniciaram quando dois veículo (um Fiat Toro e um Fiat Argo) romperam a barreira policial nas imediações do posto de fiscalização de Cáceres, desobedecendo as ordens das autoridades. Imediatamente, as equipes iniciaram o acompanhamento dos veículos e entraram em contato com o Núcleo da Polícia Militar do distrito de Caramujo para realizar o bloqueio dos veículos.

Os veículos novamente furaram a barreira policial e seguiram na BR-174. A caminhonete Fiat Toro foi abandonada no sentido de Curvelândia e os suspeitos empreenderam fuga para dentro da mata, já o Fiat Argo  seguiu para Porto Esperidião, porém o condutor perdeu o controle da direção e capotou o veículo na entrada da Lagoa Azul. O condutor do veículo foragiu para o matagal, porém foi localizado algum tempo depois ainda na região do acidente.

Após a apreensão dos veículos, os policiais receberam informações sobre a situação cárcere privado no Seminário Bom Pastor, em Cáceres. Quando as equipes chegaram ao endereço, foi possível ouvir gritos, sendo verbalizado para os assaltantes se renderem. Apenas um dos suspeitos tentou fugir pelos fundos da casa, porém foi detido pela equipe policial.

Com ele, foi apreendido um simulacro de pistola. Na busca pessoal dos outros dois suspeitos foram localizadas duas munições calibre 380, um estojo deflagrado. Um quarto suspeito que estava na casa mantendo vítimas sob a mira de arma de fogo, conseguiu fugir.

As vítimas relataram que foram agredidas e torturadas pelos criminosos para passar os dados bancários e senhas de celular e contas de banco.Diante dos fatos, os quatro suspeitos detidos foram encaminhados para a Defron, onde após serem interrogados foi lavrado o flagrante.

Assessoria | Polícia Civil-MT

Compartilhar

Deixe uma resposta